13 / 03 / 2019 - as 10:16

O vice-prefeito de Jatobá do Piauí Hilton Gomes se filiou nessa segunda-feira (11/03) ao Partido Social Democrático (PSD), durante o “I Encontro Democrático” do partido no Piauí, ocorrido no cine teatro da Assembleia Legislativa do Piauí.

O evento teve a presença do presidente nacional da sigla, o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro Gilberto Kassab, além da filiação de 15 prefeitos, 3 vice-prefeitos e da vereadora por Teresina, Cida Santiago.

Segundo Hilton Gomes, sua filiação ao PSD marca a confirmação definitiva de seu nome como pré-candidato a prefeito de Jatobá do Piauí em 2020.

“Já estamos trabalhando há muito tempo o nosso nome e as nossas ações, que são mais importantes. Já fizemos reuniões com lideranças de Jatobá do Piauí e o nosso nome está colocado à disposição da população” disse.

Hilton agradeceu ao deputado Geroginano Neto pelo apoio que tem recebido para desenvolver ações em Jatobá do Piauí, como um carro para o Conselho Tutelar, uma L-200 para a secretaria de saúde, uma Van, em processo de entrega, além de ações para as comunidades como poços tubulares. Ele agradeceu também as lideranças locais como Rita Macedo, Olímpio Carlos Otoniel Luciano e Genival, que estiveram na solenidade representando as demais lideranças que forma o grupo de apoio à sua pré-candidatura.

O PSD é comandante no Piauí pelo deputado federal Júlio Cesar e pelo deputado estadual Georgiano Neto.

Campomaioremfoco

 


09 / 03 / 2019 - as 08:37

A governadora em exercício, Regina Sousa (PT), assinou no início da noite desta sexta-feira (8) o decreto de exoneração do ex-capitão Alisson Wattson. 

O ex-militar é acusado de matar a estudante de direito Camilla Abreu, sua namorada na época, e ocultar o corpo da vítima após o crime em outubro de 2017.

Regina Sousa disse que no Dia da Mulher assinar o afastamento definitivo do ex-capitão dos quadros da Polícia Militar do Piauí é "simbólico".

"Foi um crime bárbaro. É simbólico que seja hoje, já que encerrou todo o processo. Não tem mais o que discutir e coincidentemente caiu para eu assinar no Dia Internacional da Mulher", afirmou Regina Sousa.

Segundo a governadora em exercício, o maior desafio na atualidade é de combater a violência contra a mulher.

"Não é nem o empoderamento, que aos poucos estamos conquistando, que é uma questão da gente dar passos, agora a violência não sabemos que passos se dar a não ser pela educação e mobilização".

Para a perda da patente, o ex-militar teve que passar por vários ritos. A Policia Militar - comissão de Justificação - concluiu pela exoneração dele, no entanto precisava passar pelo pleno do Tribunal de Justiça. Mês passado por unanimidade, o TJ decidiu pela expulsão e perda de patente do ex-capitão Alisson Watson da Silva Nascimento do quadro da Polícia Militar do Piauí. Com a publicação no Diário Oficial, o ex-militar ficará sem salário e será transferido para um presídio comum. 

Fonte: cidadeverde.com

 

 


08 / 03 / 2019 - as 07:44

Em discurso para militares, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quinta-feira (7) que vai governar ao lado "daqueles que respeitam a família" e afirmou que democracia só existe se as Forças Armadas "assim o quiserem".

O presidente fez um rápido discurso na cerimônia do 211º aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais, na Fortaleza de São José da Ilha de Cobras, no centro do Rio de Janeiro. Ele descreveu sua vitória nas eleições do ano passado como uma missão.

"A missão será cumprida ao lado das pessoas de bem do nosso Brasil, daqueles que amam a pátria, daqueles que respeitam a família, daqueles que querem aproximação com países que têm ideologia semelhante à nossa, daqueles que amam a democracia. E isso, democracia e liberdade, só existe quando a sua respectiva Força Armada assim o quer", afirmou. O presidente discursou por pouco mais de quatro minutos e não atendeu a imprensa após o evento. 

Em janeiro, em seu segundo dia de governo e também diante de militares, Bolsonaro havia adotado um discurso na mesma linha. Na ocasião, disse que as Forças Armadas do Brasil são obstáculo para quem quer usurpar o poder no país.

"A situação em que o Brasil chegou é prova inconteste de que o povo, em sua grande maioria, quer respeito, quer ordem, quer progresso", afirmou naquele dia.

A fala de Bolsonaro motivou críticas de opositores. Derrotado nas últimas eleições, Fernando Haddad (PT) cobrou uma explicação. "Infelizmente, o presidente não atendeu a imprensa para explicar o raciocínio", escreveu no Twitter.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, também atacou a declaração. "Essa pessoa não tem limites na agressividade! A Democracia foi conquistada pela sociedade brasileira. Não é objeto de tutela ou permissão. Terá muita luta pra defendê-la, apesar de vc e seus aliados", disse ela na rede social.

"Ele ataca a Constituição que diz `Todo poder emana do povo´. Mais uma vez comete crime de responsabilidade e atenta contra a dignidade do cargo. Pior, constrange os militares a assumirem o autoritarismo", escreveu o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP). O deputado federal Alexandre Padilha (PT) disse que Bolsonaro cometia um "ataque irreparável" à Constituição ao "tutelar a nossa democracia ao bem dispor dos militares".

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, afirmou que a frase de Bolsonaro foi mal interpretada. "[O presidente] está sendo mal interpretado. O presidente falou que onde as Forças Armadas não estão comprometidas com democracia e liberdade esses valores morrem. É o que acontece na Venezuela", disse.

Fonte: Folha

 


06 / 03 / 2019 - as 10:57

No último sábado o vice prefeito de Jatobá do Piauí Hilton Gomes  reuniu líderes e aliados políticos na residência de seu irmão Altivo Gomes na comunidade Tabuleiro. Entre  os presentes que  confirmaram apoio a seu grupo estavam  o ex secretário de obras e Rita Macêdo. Em  pauta as eleições 2020.
 
Hilton Gomes é apoiado pelo Deputado Estadual Georgiano Neto e o Deputado Federal Júlio César se articula fortemente para as próximas eleições e a cada dia o grupo tem várias adesões.
 
 

23 / 02 / 2019 - as 10:26

Morreu na noite desta sexta-feira (22) o ex-prefeito de Corrente Jesualdo Cavalcanti Barros. Advogado e escritor, o homem público também era um político nato. Foi vereador, deputado e cumpriu o segundo mandato como prefeito da cidade ao Sul do Piauí. A morte foi confirmada por uma fonte próxima da família. O político lutava contra o câncer. A Assembleia Legislativa declarou luto oficial de três dias.

Histórico: 

 

Filho de Sebastião de Souza Barros e Iracema Cavalcante Barros, é casado com a professora Maria do Socorro Rocha Cavalcanti Barros. Tem três filhos. Concluiu Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade de Direito do Piauí (Teresina, 1966), tendo, ainda, cursos de pós-graduação em Administração de Empresas (1967) e Direito Público (1978).

Fundou e dirigiu um escritório de consultoria e planejamento de administração municipal em Teresina (1967/1979). Integrou o conselho seccional piauiense da Ordem dos Advogados do Brasil, tendo exercido o cargo de 1º secretário de sua diretoria (1976/1978).

Foi secretário substituto de Indústria e Comércio (1975/1978). De 1983 a 1986 exerceu o cargo de secretário de Cultura, Desportos e Turismo do Piauí. Eleito conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Piauí pela Assembléia Legislativa, em 1994, presidiu a corte em dois biênios (1995/1998). Sob sua direção, foi construído o novo edifício-sede do TCE.

Aposentou-se voluntariamente em março de 2002, para dedicar-se a pesquisas sobre a história do Piauí e ao Centro de Estudos e Debates do Gurguéia — Cedeg —, entidade voltada para a discussão em torno da criação do estado do Gurguéia.

 

Vida Política

Participou ativamente da política estudantil dos anos 50 e 60, quando presidiu por duas vezes o Grêmio Lítero-Cultural Desembargador Arimatéa Tito (Liceu Piauiense) e a União Piauiense dos Estudantes Secundários, bem como a vice-presidência da União Brasileira dos Estudantes Secundários. Presidiu também o Centro de Estudos da Mocidade Idealista do Piauí, que reunia jovens de sua geração em torno da discussão dos problemas do Piauí e do Brasil.

Ingressou na política partidária ao eleger-se vereador de Teresina em 1962,[1] perdendo o mandato em 1964 com a eclosão do movimento militar de 1964 quando liderava a bancada do PTB. Após dez anos recuperou os direitos políticos e filiou-se à ARENA sendo eleito suplente de deputado estadual em 1974 e ocupou o cargo de subsecretário de Indústria e Comércio (1975-1978) no governo Dirceu Arcoverde. Eleito deputado estadual em 1978, ingressou no PDS sendo reeleito em 1982; afastou-se, porém, do mandato para exercer os cargos de Secretário de Cultura e presidente da Fundação Cultural do Piauí (1983-1986) no primeiro governo Hugo Napoleão, a quem seguiu na filiação ao PFL.

Eleito deputado federal em 1986, foi signatário da Constituição de 1988 e em 1990 conquistou seu terceiro mandato de deputado estadual.

Como deputado estadual exerceu a presidência de várias comissões e exerceu a presidência da Assembléia Legislativa no biênio 1991/1993 assumindo o governo do estado no período de 8 a 12 de fevereiro de 1993 na administração Freitas Neto. Na sua gestão foi construído o terceiro pavimento do Palácio Petrônio Portela, tendo a assembleia passado por ampla modernização administrativa, inclusive com a implantação do Centro de Processamento de Dados.

Integrou o diretório nacional do PFL e presidiu seu diretório regional no Piauí (1990/1991), tendo sido um dos delegados à convenção nacional. Candidato a prefeito de Teresina em 1992, não passou do primeiro turno num pleito vencido pelo professor Wall Ferraz. Não concluiu seu derradeiro mandato parlamentar em razão de sua renúncia para assumir o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, corte da qual foi presidente.

Liderou a criação da Fundação de Ensino Superior do Sul do Piauí, no extremo sul do Estado, conseguindo recursos federais para a construção e equipamento do respectivo prédio, de que resultaram a instalação do campus avançado Jesualdo Cavalcanti (UESPI) e o funcionamento de cursos superiores em Corrente.

Retornou à vida política ao ser eleito prefeito de Corrente pelo PTB em 2012.

 

Atividade como escritor

É autor dos livros Tempo de Cultura (1985), O Estado do Gurguéia e outros temas (1995), Notícia do Gurguéia (2002), Tempo de Tribunal (2003), Memória dos Confins (1ª edição 2005, 2ª edição 2007), Tempo de Contar (2006), Dicionário Enciclopédico do Gurguéia (2008) e Gurgueia: Espaço, Tempo e Sociedade (2009). Eleito para a Academia Piauiense de Letras, tomou posse na cadeira nº 3 no dia 06/08/2010.

 

Meio nORTE

 


08 / 02 / 2019 - as 10:45

O presidente Jair Bolsonaro teve febre de aproximadamente 38 graus Celsius, na noite de ontem (6), e o exame de imagem realizado mostrou quadro de pneumonia, de acordo com boletim médico divulgado nesta tarde pelo Hospital Israelita Albert Einstein. O presidente permanece internado na unidade semi-intensiva.

Logo após o porta-voz da Presidência, Otavio do Rêgo Barros, ter informado o estado de saúde do presidente, Bolsonaro foi ao Twitter dizer que estava bem. “Estamos muito tranquilos, bem e seguimos firmes”, disse o presidente, encerrando o texto com sinal de positivo.

Depois do episódio isolado de febre sem outros sintomas associados, Bolsonaro "foi submetido à tomografia de tórax e abdome que evidenciou boa evolução do quadro intestinal e imagem compatível com pneumonia", conforme o boletim.

Foram realizados exames para identificação de bactéria ou vírus. "Eles fizeram os exames tanto viral quanto bacteriano e descartaram o viral. Então trata-se de uma questão bacteriana", disse o porta-voz.

Tratamento

A equipe médica aumentou o tratamento com antibióticos de amplo espectro, acrescentando nova medicação. "Os médicos acharam por bem acrescentar à antibioticoterapia um novo componente, uma nova droga, de forma que esse espectro possa ser ainda maior", disse Rêgo Barros.

O tratamento com antibióticos começou na noite do último domingo (3), após elevação da temperatura e aumento dos leucócitos nos exames laboratoriais na ocasião, o que poderia indicar um processo infeccioso.

Bolsonaro continua sem dor, com sonda nasogástrica e dreno no abdome para retirada de líquidos, e segue recebendo água por via oral em associação à nutrição parenteral.

Hoje ele realizou exercícios respiratórios e caminhou no corredor. Segundo o porta-voz, Bolsonaro está com dificuldades para dormir, a equipe médica avalia possibilidade "de auxiliá-lo para que ele durma um pouco mais".

Fonte: Agência Brasil

 


02 / 02 / 2019 - as 10:33

Um grave acidente deixou uma mulher identificada como Ivani Bezerra da Silva, de 55 anos morta na BR-135, próximo ao povoado “Melancia”, no fim da tarde da última sexta-feira (1º), no município de Bom Jesus, na região Sul do Piauí. 

Segundo informações, um caminhão baú da marca Iveco, tombou após o motorista perder o controle, o veículo estava ocupado por duas pessoas, Ivani, que estava no banco do passageiro, e seu marido identificado como Arlindo Procedes da Silva que estava dirigindo. 

No momento do acidente os dois ocupantes estariam utilizando o cinto de segurança, porém, de acordo com informações, o cinto da mulher, esticou com o impacto, devido a uma possível falha,  o que pode ter sacado a vítima para fora da cabine do caminhão.

O caminhão ficou sobre o corpo da vitima e precisou de um guincho para fazer o resgate.

A PRF foi acionada e fez uma perícia no local do acidente, o Samu de Bom Jesus, socorreu o motorista e marido da vitima, que está no Hospital Regional Manoel Sousa Santos em estado de choque, ele não sofreu ferimentos.

 

meionorte


29 / 01 / 2019 - as 10:11

O presidente Jair Bolsonaro passará o dia hoje (29) sob observação médica e em repouso, após sete horas de cirurgia no Hospital Albert Einstein. De acordo com o último boletim médico, ele está  "clinicamente estável, consciente, sem dor, recebendo medidas de suporte clínico, prevenção de infecção e de trombose venosa profunda".

Por 48 horas, Bolsonaro deverá descansar, de acordo com as ordens médicas. Nesse período, o vice-presidente, Hamilton Mourão, assume o exercício da Presidência da República. Ele conduzirá hoje a reunião ministerial que tratará sobre a tragédia de Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte.

A operação de ontem (28) de Bolsonaro foi para reconstruir o trânsito intestinal e extensa lise de aderências decorrentes das duas cirurgias anteriores, conforme o boletim. Durante o ato cirúrgico, foi feita uma união do intestino delgado com o intestino grosso, segundo o hospital.

O porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, disse que durante a cirurgia não houve intercorrências nem necessidade de transfusão de sangue. A operação começou por volta das 7h e terminou em torno das 15h30. Bolsonaro deu entrada anteontem (27) no hospital.

A previsão é que o presidente da República tenha alta médica em 10 dias.

Fonte: Agência Brasil

 



PUBLICIDADE